A denúncia sobre a Máfia das Órteses e Próteses no RS que não quer calar... A denúncia envolve o atual Superintendente do GHC, Dr. André Cechini...

A denúncia sobre a Máfia das   Órteses e Próteses no RS que não quer calar...  A denúncia envolve o atual Superintendente do GHC, Dr. André Cechini...

Em 04 de abril de 2016, o saudoso procurador da República, Pedro Roso, recebeu um documento que contava em detalhes os esquemas de uma Máfia de alguns médicos que atuavam (e atuam) no RS. O procurador acreditou no documento e protocolou – PRM.CAN.RS 1070/2016 – PRM – CANOAS 423 – Dizem que o assunto vai ser novamente investigado…

O DOCUMENTO ENTREGUE AO MPF DE CANOAS EM 2016:

Ilmo. Srs.

Pedro Roso

Celso Tres

Prezados,

Em reportagem divulgada hoje no Jornal Zero Hora, percebemos que podemos ter um amparo de levar adiante informações que ajudem a desmembrar grupos prestadores de serviço médico à comunidade.

O que conhecemos, vem de longa data e envolve já 2 gerações de profissionais de saúde, médicos do ramos de neurologia/neurocirurgia e traumato/ortopedia.

Envolve uma trama muito grande entre médicos, administradores hospitalares, prefeituras, secretários de estado e município.

As atividades nocivas, tem início nops anos de 1996 e 2004 e 2005 (principalmente), ocorrendo em alguns municípios do RS, espalhando-se posteriormente para outras cidades (envolvem o município de Canoas, Porto Alegre, Novo Hamburgo, Caxias do Sul, Uruguaiana, Passo Fundo, Viamão, Alvorada, Gravataí, São Leopoldo), e se perpetuam até os dia de hoje. Percebe-se o movimento migratório destes profissionais envolvidos à outras instituições de saúde, que ainda estão inocentes aos fatos.

As transações envolvem o trânsito de próteses/órteses, implantes de próteses, implantes sem indicação, roubo de material, implante de “molas” e stents vasculares, recebimento de propina por indústria de material médico, indústria farmacêutica (inclusive do exterior), propinas na construção de unidade de saúde (HPS de Canoas), envolvimento lincado em outras operações da Polícia Federal (vide Operação Fariseu – Hospital Mãe de Deus).

Ao nosso ver, o nascedouro dos grupos foi na cidade de Canoas. Personagens que migraram do Grupo Hospitalar Conceição. Bem no princípio, o embrião nasceu no Nossa Senhora das Graças. Envolvidos com o prefeito da época, médico Dr. Ronchetti, os doutores Frederes e Luiz Carlos Brasiliano Ferreira (o Dr. Laka), Dr. Samir (Nasser) e os doutores Fernando Sanches entre outros. Os mentores eram principalmente Dr. Ronchetti e Dr. Frederes, que tinham o Dr. Laka (neurocirurgião) e o Dr. Sanches (traumatologista) como principais colaboradores. As especialidades de neuro e ortopedia eram os carros chefes para as metas, pelas particularidades que ofereciam para burlar o SUS.

Por exemplo, para o Hospital Nossa Senhora das Graças, que era um hospital deficitário, nos finais de anos 90 até os meados de 2005, o Dr. Laka juntamente com o Dr. André Cechini (atual Superintendente do Grupo Hospitalar Conceição) e Dr. Ericson Sfredo traziam válvulas de hidrocefalia em suas maletas, provenientes de cirurgias realizadas no no Hospital Parque Belém (Porto Alegre) que não eram implantadas em pacientes operados pela manhã – por exemplo um tumor cerebral que não tinha necessidade de válvula – a mesma não era implantada, mas cobrada do SUS. Pegavam a válvula e levam ao Hospital Nossa Senhora das Graças, para ser implantado no outro paciente e ainda cobrado do SUS. Uma enfermeira do Parque Belém se negou certo dia a assinar por produto não implantado e sofreu sanções por parte de Laka, Ericson e Cechini (atual Superintendente do Grupo Hospitalar Conceição – Rede de Hospitais que pertencem ao Ministério da Saúde) e acabou sendo demitida por justa causa – basta investigar a carteira de trabalho desta enfermeira que teve sua vida profissional devassada. Dr. Sanches e Dr. Pitt eram ortopedistas que também transitavam com materiais. Também operavam no Hospital Parque Belém.

A construção do HPS de Canoas se deu com envolvimento de propinas de todo tipo para vários secretários, funcionários e médicos na época da administração do prefeito doutor Ronchetti. O próprio Dr. Rochetti foi beneficiário, junto com o Dr. Frederes. De início aqueles mais fieis foram postos em cargos chaves, como o Dr. Laka – chefe da neurocirurgia do HPS e assim por diante…

O Site possui a cópia do documento do MPF na íntegraQueremos ver se tem algum valentão que queira processar o Site. Duvido!!! O assunto será retomado e investigado novamente!!!

Deixe um comentário

Envie um Comentário