Espumoso: Indícios de ilegalidades na administração municipal

Espumoso: Indícios de ilegalidades na administração municipal

A administração Municipal anunciou com muita divulgação e propaganda, que a empresa Pamparáfia iria se instalar em Espumoso, gerando mais de 300 empregos.  A Câmara de Vereadores rapidamente aprovou uma lei autorizando a operação. Como não poderia ser diferente, afinal,  na forma que foi colocado, seria muito interessante para o município, logo, quem fosse contrario a essa proposição seria considerado apenas um agente politico contrario. Coube ao governo do estado, na época através do Governo Sartori, buscar financiamento junto ao Badesul.  

            Para adquirir a área, foi feito um edital de chamamento público, que não é a forma legalmente correta para essa operação justamente por que permite manipulação, exatamente como mostram os indícios.  Houveram 26 propostas, de 24 áreas, sendo que algumas pessoas não apresentaram, suas propostas.

Haviam 24 áreas e 26 propostas e para a surpresa de todos a administração selecionou e comprou a 21ª mais cara. Isso nos causou estranheza, não temos notícias de outra escolha pública semelhante, sendo que haviam áreas melhores e mais em conta para o erário público, além das condições de pagamento serem mais adequadas ao desembolso de caixa da prefeitura. 

Comparando apenas 3 áreas, aparecem os indícios

Vamos comparar apenas com áreas dentre as 20 ofertas de menor valor para a área da indústria Pamparáfia:

  • Oferecida pela família Broch, sendo a 2ª e a 7ª mais barata, mas melhor localizada;
  • Oferecida para família Zuchelli, sendo a 16ª mais barata, mas muitíssimo melhor localizada;

Oferta da área da família Broch

A área ofertada pela família Broch que fica melhor localizada, basta olhar no mapa: próxima ao maior conjunto habitacional (facilitando a mão-de-obra), junto à Av. Pedro Bambini e mais próxima da cidade. Foi ofertada a R$ 300.000,00 o hectare, totalizando R$ 1.200.000,00 e parcelado em 2 anos.

Oferta da área da família Zuchelli

Em relação à outra área, ofertada pela família Zuchelli, não tem comparação em valor, vale muito mais o hectare: fica em frente à Estação Rodoviária, na principal Avenida da cidade, a Oswaldo Júlio Werlang, trecho da RS 332.  
Para 4 hectares eles estavam pedindo R$ 1.600.000,00.   
Mas para toda a área, havia negociação. Tanto é que posteriormente venderam 24 hectares por R$ 4.000.000,00 ou seja, R$ 167.000,00 por hectare.  Se a administração municipal tivesse interesse no bem estar da população e zelo pelo dinheiro público, pensando em projetos futuros para a cidade seria melhor colocar R$ 800.000,00 a mais e adquirir 24 hectares, ou seja, com 12,5% a mais, adquiriria 6 vezes mais de área na melhor localização: fica na RS 332, em direção a quem vai da região noroeste à região metropolitana do Estado ou da Serra, a mais desenvolvida.  Pelo menos 600 km, sem falar em outras rotas convergem para esta estrada, enquanto a rua onde foi adquirida tem menos de 2 km e fica no arrabalde da cidade.   

Abaixo a localização e tamanho de 3 das 24 ofertas.  A matrícula 6474 foi oferecida pela família Broch, as matrículas 14671, 13580 e 156734 pela família Zuchelli e a última foi a área escolhida pela administração com preço maior.

Pagaram R$ 3.200.000,00 por 4 hectares. Os mesmos 4 hectares que poderiam ter sido adquiridos por R$ 800.000,00, economizando R$ 2.400.000,00 que poderiam ser utilizados para o bem da população.

Polícia Federal na Prefeitura de Espumoso.

Deixe um comentário

Envie um Comentário