Ex-governador Sérgio Cabral faz acordo de delação premiado com a Polícia Federal

Ex-governador Sérgio Cabral faz acordo de delação premiado com a Polícia Federal

Está causando arrepios e muitas compras de caixas de Rivotril o acordo de delação premiada que o ex-governador Sérgio Cabral acabou de fazer com a Polícia Federal.

Preso desde outubro de 2016, o ex-governador do Rio Sérgio Cabral assinou acordo de delação premiada com a Polícia Federal. A informação é do Jornal O Globo.  

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, recebeu o acordo de delação premiada do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral com a Polícia Federal. Caberá ao magistrado a validar ou não ou acordo.

O bombástico acordo vai incluir também os esquema do operador do MDB na área da Saúde: Alberto Beltrame – atual secretário de Estado de Saúde do Pará (dos Barbalhos) e ex-ministro do Michel Porto de Santos Temer… Quem sabe tudo do Alberto Beltrame é o Sergio Cortês (ex-secretário da Saúde do Rio de Janeiro). Dizem que a PF está no encalço do Alberto…

À PF, Sérgio Cabral contou como havia sido armado o esquema para assaltar o Erário e mencionou dezenas de políticos, todos beneficiados pela organização criminosa. Setores do Judiciário também estariam envolvidos. “Cabral narra nos depoimentos sua relação com ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e com o processo de indicação deles aos seus atuais cargos. É por isso que a delação precisa ser homologada no STF, já que esses ministros possuem foro privilegiado perante a Suprema Corte. Os nomes delatados são mantidos sob sigilo”, informa “O Globo”.

O STF está numa saia-justa: se não aprovar a delação premiada de Sérgio Cabral vai deixar a impressão que estaria protegendo prováveis denunciados do Judiciário.

Foto de 2010: Cortês, Cabral e Alberto Beltrame

Cabral em depoimento ao Judiciário disse: “Esse Alberto Beltrame se tornou secretário Nacional de Saúde e por intermédio dele o Miguel Iskin junto com o Sérgio Côrtes fizeram, agiram e forneceram muita coisa para vários Estados do país. Eu não participei disso, não me beneficiei disso, mas tenho certeza que isso aconteceu” – disse Cabral ao juiz Marcelo Bretas.

Miguel Iskin e Sérgio Côrtes são investigados pela PF por fraudes no fornecimento de próteses e desvios no governo do Rio.

Deixe um comentário

Envie um Comentário