20.8 C
Porto Alegre
28 de novembro de 2021
-Patrocinado-spot_img

Indícios de supostas irregularidades na EGR (Empresa Gaúcha de Rodovias) – Parte 01

O Site teve acesso a graves denúncias feitas por um graduado funcionário da EGR, sobre um diretor (indicado pelos tucanos de Viamão).

Os fatos relatados afrontam a probidade e podem ser tipificados, conforme o caso, como crime de responsabilidade, improbidade, crime penal, violação do código de conduta.

Fato nº 1 – Uso de veículo da empresa para fins particulares. É notório já entre os empregados da empresa estatal que o diretor administrativo e financeiro da estatal realiza viagens regulares para os Municípios de Lajeado e Viamão, e se utiliza de veículos da empresa para tanto. Tais “agendas” não são oficiais da EGR, e causa desconfiança e estranheza um diretor fazendo tantas viagens para estes dois municípios. É público e notório a relação pessoal entre o diretor e empresários de Lajeado e a Prefeitura de Viamão, sendo que o mesmo já prestou consultoria, onde se reúne seguidamente em escritórios e na casa dos empresários lajeadenses.

O mesmo acontece na Prefeitura de Viamão, onde o diretor administrativo e financeiro possui relação pessoal com o atual Prefeito, e se utiliza de veículo público para agendas pessoais e políticas, sendo que o mesmo, inclusive, fez parte da campanha como arrecadador do atual prefeito. Duas famosas empresas de Lajeado possuem grande poder dentro da EGR, viu?

O pessoal de Lajeado quase sempre atua na modalidade de consórcios, viu?

Os motoristas da EGR, certamente são constrangidos a não relatarem onde estão e nem mesmo contar qual finalidade que realizam tais viagens. Uma simples verificação interna poderá constatar e comprovar que esses deslocamentos não são para tratar de interesses da EGR, e sim, para atender questões particulares ou comerciais próprias.

Tal prática viola a Lei de Improbidade Administrativa, conforme Lei 8.429/92, merecendo o mesmo ressarcir integralmente dos valores despendidos e a perda da função pública.

A prática reiterada da conduta aliada ao constrangimento de empregados públicos que controlam o setor é de ser averiguada e punida, pois não pode o detentor do cargo se utilizar do mesmo para fins particulares.

Seria prudente o governador Eduardo Leite averiguar tais fatos. Também poderia aproveitar para averiguar se aconteceu aqueles famosos ADITIVOS para as duas empresas de Lajeado, né?





Artigos Relacionados

Fique conectado

2,758FãsCurtir
2,655SeguidoresSeguir
856InscritosInscrever
- Advertisement -spot_img

Últimas Notícias