29.9 C
Porto Alegre
20 de janeiro de 2022
-Patrocinado-spot_img

O empresário Roberto Argenta não é mais do MDB. Pretende disputar o governo gaúcho por outra legenda

O empresário e político Roberto Argenta divulgou uma nota sobre o seu planejamento para o próximo ano eleitoral. Ela saiu do MDB.

NOTA:

“Na política, assim como na vida, precisamos fazer escolhas. E nem sempre é fácil. Porém, desde muito cedo, quando ainda era um jovem cheio de planos na cabeça e pouco dinheiro na carteira, filho de pequenos agricultores de Gramado, descobri que não podemos vacilar quando temos convicção de algo. Pelo contrário, devemos ir atrás dos nossos sonhos e objetivos com tenacidade. Sendo assim, agradeço o carinho que venho recebendo da família do MDB gaúcho nesta curta jornada que vivenciei na condição de pré-candidato ao Governo do Estado do Rio Grande do Sul. A partir de hoje, abro mão de disputar as prévias internas por entender que não podemos mais perder tempo. Respeitando os ritos partidários, suas lideranças históricas como o ex-Senador Pedro Simon, ex-governadores, parlamentares, prefeitos e prefeitas, vereadores e vereadoras, assim como todos os filiados e filiadas, agradeço cada momento que passamos juntos. Como empresário, preocupado em manter cerca de 25 mil empregos diariamente, mesmo diante de tantos desafios, sei o exato valor de cada dia. Não podemos mais perder tempo, volto a dizer. O Rio Grande que dá certo é o Rio Grande que não pode se dar ao luxo de perder nenhum segundo a mais. Saio do MDB, mas não da disputa. Reitero minha decisão de concorrer, mas por outra sigla a ser definida nos próximos meses. Não são os partidos que unem as pessoas, são os propósitos. O meu seguirá sendo o de lutar por uma vida melhor para os gaúchos. Empregos garantem o presente, educação garante o futuro.”

O empresário Roberto Argenta possui todas as qualificações para disputar e chegar ao Palácio Piratini. Argenta já teve passagem de alto nível pela Câmara Federal. Em outubro de 1998 candidatou-se a deputado federal pelo Rio Grande do Sul na legenda do PFL. Eleito com 57.349 votos, assumiu o mandato em fevereiro de 1999 e nesse mesmo ano migrou para o Partido Humanista Social (PHS). Na Câmara, integrou as comissões de Finanças e Tributação, de Fiscalização Financeira e Controle, de Relações Exteriores e Defesa Nacional, e de Trabalho, Administração e Serviço Público. Candidatou-se novamente a deputado federal no pleito de outubro de 2002, na coligação formada pelo PHS e o PMDB, mas, com 54.267 votos, não foi eleito. Deixou a Câmara em 31 de janeiro de 2003, ao concluir o mandato.

Artigos Relacionados

Fique conectado

2,758FãsCurtir
2,655SeguidoresSeguir
856InscritosInscrever

Últimas Notícias