Vitor Koch (presidente transitório da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do RS) luta desesperadamente para que decretem segredo de justiça no depoimento da Srta. Raquel Garcia Nick Fraga. A Raquel (gerente financeira afastada) entregou tudo e mais um pouco sobre os desvios de mais de R$ 10 milhões da FCDL-RS...

Vitor Koch (presidente transitório da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do RS) luta desesperadamente para que decretem segredo de justiça no depoimento da Srta. Raquel Garcia Nick Fraga. A Raquel (gerente financeira afastada) entregou tudo e mais um pouco sobre os desvios de mais de R$ 10 milhões da FCDL-RS...

A Gerente Financeira da FCDL-RS (afastada por problemas de “saúde”), Raquel Garcia Nick Fraga, relatou em detalhes no seu depoimento na Polícia Civil que tinha total conhecimento dos desvios praticados pelo presente da Federação, o tal de Vitor Koch. A Polícia Civil calcula o roubo em mais de R$ 10 milhões.

O Site soube que o Koch está desesperado para tornar o inquérito/processo em segredo de justiça. Ele não quer que o depoimento bombástico da Gerente Financeira vaze ao público. O Site vaza… Ela disse: “Eu sabia que eles roubavam”. O Site também sabe que ela não participava do rateio financeiro…

Vamos lembrar ao nossos leitores o caso:

A competente Polícia Civil do RS descobriu que há 13 anos Koch liderava a ação criminosa dentro da FCDL-RS, tendo como principal parceiro o empresário de Novo Hamburgo, Pedro Ênio Schneider (que confessou o esquema), os funcionários da FCDL-RS Leonardo Neira e Raquel Garcia Nick Fraga e sua esposa, Carla Elisa Koch. O esquema criminoso se dava pela emissão de notas frias e simulação de serviços prestados, além da compra de bens que não eram entregues.

Conforme a Polícia Civil, Pedro Ênio entrava no “negócio” como prestador de serviços por meio das suas empresas, a New PS Propaganda e Marketing e New PS Propaganda de Serviços Gráficos, além de um “fornecedor” de vinhos, pela terceira empresa que possui em seu nome, a San Pedro Vinhos… Todas as empresas estão situados no mesmo endereço, na Rua Tamandaré (bem pertinho da Receita Federal de Novo Hamburgo).

Os quatros envolvidos no esquema respondem por estelionato, falsificação ideológica, lavagem de dinheiro e organização criminosa. O Pedro e a Raquel entregaram todo o esquema…

Deixe um comentário

Envie um Comentário